Grupo Regional de Moreira da Maia


Na defesa das raízes e das tradições da Maia, terra de tradições fecundas e vetustas a esfumar-se na bruma dos séculos, Moreira da Maia sentiu necessidade de perpetuar os seus costumes, as suas usanças, a riqueza espiritual expressa nas danças e nos cantares das suas gentes. E foi com essa intenção que um grupo de pessoas composto por Maria José Magalhães, Manuel Carlos Moreira e António Costa e Silva formou, em 1934, o Grupo Regional de Moreira da Maia para dar continuidade à preservação das raízes desta pequena comunidade. Pequena em tamanho, mas grandiosa e orgulhosa da sua cultura popular.

A primeira atuação pública ocorreu no Palácio de Cristal, na Cidade do Porto, por ocasião da abertura da Exposição Colonial Portuguesa, e a partir de então não mais cessou a sua intensa e valiosa atividade na defesa e divulgação das tradições maiatas, circunstância que lhes tem valido diversas e honrosas distinções, de entre as quais se salienta, pelo seu significado, a Medalha de Mérito Cultura – Ouro, atribuída pela Câmara Municipal da Maia.

No seu exuberante e policromo quadro etnográfico, o Grupo Regional de Moreira da Maia apresenta os típicos trajes que representam a forma de vestir das gentes Maiatas, com destaque para o traje de Domingar, o mais característico de todos. Procurou formar uma tocata, que não só refletisse a presença dos instrumentos musicais tradicionais da região, como também permitisse, sem adulterações, a execução das danças interpretadas pelo agrupamento.

Ao longo do ano, o Grupo Regional promove diversas iniciativas, que muito valorizam a sua ação cultural. Para além dos conceituados festivais que organiza, cumpre ainda referir as Desfolhadas Maiatas, como evocação da cultura do milho, e durante os meses de Dezembro e Janeiro leva a efeito os tradicionais Cantares de Janeiras. É sócio efetivo da Federação do Folclore Português. O Grupo Regional Moreira da Maia, é composto atualmente por 56 elementos, com pessoas que exercem variadas profissões. Contudo, a maioria dos seus componentes são estudantes. Todos eles abraçam o folclore com o carinho e orgulho que têm pelas danças e cantares da Nossa Maia, e todos partilham do mesmo empenho e interesse pelas tradições culturais do nosso povo. E semanalmente pode-se constar através do ensaio, que se efetua na sua sede aos sábados à noite, o diálogo que é travado entre a diretora Lucília Santos, e os seus diretores técnicos, como também os seus componentes, na orientação para que as danças de fila ou de roda saiam da melhor forma nos tablados por onde o Grupo Regional pisa. É um diálogo muito movimentado, mas também às vezes desgastante, pela repetição dos diversos temas num só ensaio. No entanto, vale a pena o esforço e todos entendem que devem estar na melhor forma e prevalecer com a maior exatidão possível, como dançavam e cantavam os nossos antepassados. Organizam anualmente 5 Festivais de Folclore, atua em Festas, Romarias e Festivais de Norte a Sul do País e Arquipélago da Madeira e dos Açores.

A riqueza do traje exibido tem sido razão constante para vários convites em participações de alto nível, assim como a atribuição de conceituados prémios a nível nacional e internacional. São exemplo demonstrativo desses prémios:
 - 1º Lugar de traje de Domingar em Barcelos
 - 3º Prémio no Festival Mundial de Folclore da Babiera em Munique
 - Colar de Bronze em França 
 - Medalha de Mérito do Concelho da Maia